Fique por dentro

Siga nosso Twitter

Acesse nosso canal

Junte-se a nós no Facebook

Wai Wai aplicam economia da conservação em área tradicional

Direitos à terra permitem a grupos indígenas decidir sobre a melhor utilização dos recursos

Distrito de Konashen, Guiana, 03 de outubro de 2007

Três anos depois de haverem conseguido a titulação formal de seu território na Amazônia setentrional, o povo Wai Wai da Guiana conseguiu outra vitória quando sua região foi declarada a primeira Área de Conservação de Propriedade da Comunidade.

De acordo com as regulações aprovadas pelo parlamento da Guiana, a comunidade Wai Wai formalmente designou sua área como área protegida e adotou um plano de manejo, desenvolvido com o apoio da Conservação Internacional (CI) para a área de 625 mil hectares na fronteira do país com o norte do estado brasileiro do Pará.

Como gestores de uma Área de Conservação de Propriedade da Comunidade (COCA, na sigla em inglês), os 204 Wai Wai do Distrito de Konashen estão formando uma “economia da conservação” baseada no uso sustentável de seus recursos naturais. O plano gerará empregos nas atividades de conservação, tais como pára-biólogos que trabalharão com  pesquisadores para avaliar a flora e a fauna do território, e fiscais locais que patrulharão a área. Outras atividades econômicas  incluem o ecoturismo e a expansão dos negócios artesanais tradicionais dos Wai Wai. A declaração da COCA tornou realidade a visão de Elka - que se tornou o primeiro Kayaritomo (chefe) dos Wai Wai em 1969 – que era a da detenção da propriedade e o manejo sustentável das terras pelos Wai Wai.

“Sempre fomos os guardiães das florestas que nos sustentam, e agora é oficial, reconhecido pelo governo e pelo mundo”, disse Cemci Sose, atual Kayaritomo dos Wai Wai. “O desafio imediato que enfrentamos é a criação de oportunidades econômicas através da Área de Conservação de Propriedade da Comunidade para impedir que os jovens partam, o que poderia destruir nossa comunidade.”

Os Wai Wai receberam a titulação formal de suas terras em 2004, e imediatamente solicitaram a ajuda da CI para a produção do plano de manejo e das regulações necessárias para tornar a área uma COCA. Nos três anos seguintes as lideranças Wai Wai trabalharam com a CI, a Agência de Proteção Ambiental da Guiana e o Ministério de Assuntos Ameríndios para elaborar um plano e uma estrutura de manejo que aportem benefícios econômicos aos Wai Wai ao mesmo tempo em que protegem parte dos maiores trechos remanescentes de floresta tropical intacta da Terra.

“Os Wai Wai confirmaram aquilo que o Governo da Guiana sempre defendeu: que o atendimento das reivindicações à terra dos Ameríndios é uma maneira de proteger o meio ambiente para as futuras gerações,” disse a Ministra de Assuntos Ameríndios Carolyn Rodrigues. “Quem seria mais qualificado a proteger o ambiente do que aqueles que o têm protegido desde sempre?”.

Ao tornar sua terra natal uma Área de Conservação de Propriedade da Comunidade, os Wai Wai passam a integrar o Sistema Nacional de Áreas Protegidas da Guiana e a se beneficiar de um fundo fiduciário que está sendo formado pelo governo da Guiana. O Fundo Global de Conservação da CI e o governo alemão são os principais contribuidores da iniciativa.

A terra Wai Wai faz parte do Escudo das Guianas, uma vasta extensão da floresta tropical Amazônica que atravessa seis países sul-americanos. A região abriga espécies como a onça pintada, a rã venenosa azul, o galo-da-serra e a araracanga.

A CI está promovendo o valor da floresta tropical dos Wai Wai e ressaltando os serviços ambientais que ela proporciona, tais como o seqüestro de carbono e bacias hidrográficas limpas. . O corte e a queimada de florestas tropicais contribui com 20% das emissões totais de gases do efeito estufa, que são responsáveis pelo aquecimento global, e o crescente mercado mundial do carbono representa uma oportunidade para países em desenvolvimento como a Guiana, que podem se beneficiar do valor de mercado da floresta em pé, que absorve o carbono da atmosfera. Além disso, a terra natal dos Wai Wai encontra-se nas cabeceiras do Essequibo, o maior rio da Guiana, o que efetivamente faz dos Wai Wai os protetores da maior fonte de água doce do país.

Isso demonstra o poder que a concessão dos direitos à terra confere às populações indígenas porque elas sabem o que é melhor para suas próprias comunidades,” afirma o presidente da CI, Russell A. Mittermeier. “Os Wai Wai poderiam ter vendido a madeira e outros ativos naturais e receber em troca um pagamento único, mas ao invés disso eles preferiram proteger a floresta tropical e permitir que gerações futuras continuem a usufruir dela”.

X X X

Para mais informações, solicitação de fotos e entrevistas, favor contatar:

Lisa Famolare, Vice Presidente do Programa Regional das Guianas, +1 703-341-2603 (no Hotel Panamericano +54-11-4338-5357 durante o II Congresso Latino Americano de Parques), lfamolare@conservation.org

Susan Bruce, Diretora de Midia Internacional, +1 703-341-2471 (no Hotel Panamericano +54-11-4338-5357 durante o II Congresso Latino Americano de Parques), sbruce@conservation.org

Tom Cohen, Diretor de Relações com a Mídia, +1 703-341-2729, tcohen@conservation.org

X X X

A Conservação Internacional (CI) aplica inovações da ciência, economia, política e participação comunitária à proteção das regiões de diversidade vegetal e animal mais ricas da terra e visa demonstrar que as sociedades humanas podem conviver harmonicamente com a natureza. Fundada em 1987, a CI atua em mais de 40 países de quatro continentes para ajudar as pessoas a encontrarem alternativas econômicas sem prejuízo de seus ambientes naturais. Veja mais informações sobre a CI no site www.conservation.org.

O Fundo Global de Conservação da Conservação Internacional financia a criação, a expansão e o manejo a longo prazo de áreas protegidas nos hotspots de biodiversidade, , nas grandes regiões naturais de alta biodiversidade e regiões marinhas importantes. www.conservation.org/gcf/

Rua Tenente Renato César, 78 – Cidade Jardim – CEP 30380-110

Belo Horizonte – MG – Brasil – Tel.: [31] 3261.3889

©2003 Conservation International do Brasil / Aviso Legal / Política de Privacidade